segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Compulsão amorosa?



Não tenho a intenção aqui de analisar cientificamente a questão do comportamento obsessivo. O que espero é provocar em você uma reflexão sobre o tema e fazê-lo compreender o quanto um comportamento com base na repetição e impulsividade pode ser danoso para todo tipo de relação.

Como todo vício – comer demais, lavar as mãos demais, machucar-se demais, comprar demais – amar demais também pode ser classificado dentro de um processo similar quando implica em dependência emocional. Amar demais está ligado a uma confusão de pensamentos e sentimentos que nos torna refém da relação e do outro.

Sem troca
Agimos de forma automática – pensando dar e amar demais –, quando, verdadeiramente, o que fazemos vai além e está totalmente voltado a controlar e cobrar demais.

Vivemos com a sensação de que, se não fizermos pelo outro, se não agradarmos, elogiarmos, adularmos, amarmos todo o tempo – mesmo não recebendo nada em troca, mesmo não sendo amados de volta –, está tudo bem, está tudo normal!

Então, submetemo-nos e nos arrastamos. Fazemo-nos capachos.
Normal? Diria no mínimo complicado. No outro extremo, complexo e difícil ser diagnosticado e então curado.
Até porque, ao longo do tempo, além dessa sensação do medo que nos impede de mudar e desligar o piloto automático, misturamos esse comportamento com o ser SUPER.

Superdedicada(o), superamorosa(o), supergenerosa(o) – o que não condiz com a realidade, mas engana quem está por perto. Você já deve ter ouvido algo do tipo: ela é maravilhosa, está lá todo o tempo para ele, só ele não percebe o que está perdendo.

Será?
Quem vive nessa toada, além de escravizar-se – pois vive para e pelo outro como se fosse essa sua função na vida –, acaba também por provocar nesse outro uma grande repulsa.

No começo da relação, tudo bem, tudo lindo. Ao longo do tempo, tudo se torna insuportável. Afinal, ninguém agüenta tamanho foco, tamanha pressão? E, então, numa tentativa de se ver livre desse “polvo”, o outro se esquiva e, aí, tudo piora – porque aquele que ama demais irá, nesse momento, aumentar ainda mais seu tempo de DEDICAÇÃO TOTAL AO OUTRO…

E, então, num circulo vicioso, enquanto mais o outro foge, mais um corre atrás… Sofrimento, dor e final infeliz são a tônica da relação, que não acrescenta nada a um e outro.

Compulsão
Agora, se é difícil não poder continuar dando “amor distorcido” para o outro, imagine o que deve ser conviver consigo mesmo e com essa questão. Viver sem autocontrole, não saber a origem do problema, desconhecer a causa e – pior – não conseguir abrir mão desse padrão de comportamento…

Pois é, agimos de forma compulsiva quando nos deixamos levar por aquele impulso incontrolável, repetitivo e persistente – que nos faz agir de uma forma que não queremos ou aceitamos. É como se fossemos dominados por algo maior – nossos pensamentos, nossos medos, nossas angústias e, quando nos damos conta, lá estamos nós repetindo a mesma atitude e, por conseqüência – recebendo o mesmo tipo de resultado.

O comportamento compulsivo é consciente e se caracteriza pela freqüência excessiva com que acontece. Rapidamente transforma-se num hábito que, inconscientemente, está ligado a algum tipo de compensação que nem sempre conseguimos explicar. A questão é: acontece!

Como droga
Repetimos o mesmo comportamento mesmo quando mudam os personagens e, embora nos alivie num primeiro momento, como com uma droga qualquer – quando passa seu efeito nos sentimos mal por ter agido impulsivamente de novo. Ou seja: não aprendemos com nossos erros, não chegamos a um final feliz, não conseguimos nos libertar.

Tudo isso impacta os relacionamentos, acaba com a auto-estima e limita qualquer possibilidade de evolução. Estamos ocupados demais com essa confusão mental para investir em qualquer outra situação que gere angústia, ansiedade e dependência.

Sabemos que estamos assim, “doentes”, quando não paramos de ligar para o outro, não cansamos de enviar SMS, enchemos a caixa e emails com mais e mais recados, ligamos para dizer “eu te amo” o dia todo – sem muitas vezes nem saber o que é amor… Preparamos 1.000 surpresas, sufocamos… Somos over. Somos insuportáveis e o outro, bem, o outro não agüenta.

Mudar é possível mas demanda muito autoconhecimento. Escolhas, sempre escolhas.

....................................
Homem perfeito
Não existe homem fiel. Você já pode ter ouvido isso algumas vezes, mas afirmo com propriedade. Não é desabafo. É palavra de homem que conhece muitos homens e que conhecem, por sua vez, muitos homens. Nenhum homem é fiel, mas pode estar fiel (ou porque está apaixonado (algo que não dura muito tempo - no máximo alguns meses - nem se iluda) ou porque está cercado por todos os lados (veremos adiante que não adianta cercá-lo (isso vai se voltar contra você)..A única exceção é o crente extremamente convicto.Se você quer um homem que seja fiel, procure um crente daqueles bitolados, mas agüente as outras conseqüências.

Não desanime. O homem é capaz de te trair e de te amar ao mesmo tempo. A traição do homem é hormonal, efêmera, para satisfazer a lascívia. Não é como a da mulher. Mulher tem que admirar para trair; ter algum envolvimento. O homem só precisa de uma banda. A mulher precisa de um motivo para trair, o homem precisa de uma mulher.

Não fique desencantada com a vida por isso. A traição tem seu lado positivo. Até digo, é um mal necessário. O cara que fica cercado, sem trair, é infeliz no casamento, seu desempenho sexual diminui (isso mesmo, o desempenho com a esposa diminui), ele fica mal da cabeça. Entenda de uma vez por todas: homens e mulheres são diferentes. Se quiser alguém que pense como você, vire lésbica (várias já fizeram isso e deu certo), ou case com um gay enrustido que precisa de uma mulher para se enquadrar no modelo social. Todo ser humano busca a felicidade, a realização. E a realização nada mais é do que a sensação de prazer (isso é química, está tudo no cérebro).

A mulher se realiza satisfazendo o desejo maternal, com a segurança de ter uma família estruturada e saudável, com um bom homem ao lado que a proteja e lhe dê carinho. O homem é mais voltado para a profissão e para a realização pessoal e a realização pessoal dele vêm de diversas formas: pode vir com o sentimento de paternidade, com uma família estruturada etc. Mas nunca vai vir se não puder ter acesso a outras fêmeas e se não puder ter relativo sucesso na profissão.

Se você cercar seu homem (tipo, mulher que é sócia do marido na empresa), o cara não dá um passo no dia-a-dia (sem ela) você vai sufocá-lo de tal forma que ele pode até não ter espaço para lhe trair, mas ou seu casamento vai durar pouco, ele vai ser gordo (vai buscar a fuga na comida) e vai ser pobre (por que não vai ter a cabeça tranqüila para se desenvolver profissionalmente (vai ser um cara sem ambição e sem futuro).

Não tente mudar para seu homem ser fiel. Não adianta. Silicone, curso de dança sensual, se vestir de enfermeira etc... Nada disso vai adiantar. É lógico que quanto mais largada você for, menor a vontade do homem de ficar com você e maior as chances do divórcio. Se perfeição adiantasse, Julia Roberts não tinha casado três vezes. Até Gisele Bündchen foi largada por Di Caprio. Não é você que vai ser diferente (mas é bom não desanimar e sempre dar aquela malhadinha).

O segredo é dar espaço para o homem viajar nos seus desejos (na maioria das vezes, quando ele não está sufocado pela mulher, ele nem chega a trair, fica só nas paqueras, (troca de olhares). Finja que não sabe que ele dá umas pegadas por fora. Isso é o segredo para um bom casamento. Deixe ele se distrair, todos precisam de lazer.

Se você busca o homem perfeito, pode continuar vendo novela das seis. Eles não existem nesse conceito que você imagina. Os homens perfeitos de hoje são aqueles bem desenvolvidos profissionalmente, que traem esporadicamente (uma vez a cada dois meses, por exemplo), mas que respeitam a mulher, ou seja, não gastam o dinheiro da família com amantes, não constituem outra família, não traem muitas vezes, não mantêm relações várias vezes com a mesma mulher (para não criar vínculos) e, sobretudo, são muuuuuito discretos: não deixam a esposa e nem ninguém da sua relação, como amigas, familiares saberem.

Só, e somente só, um amigo ou outro dele deve saber, faz parte do prazer do homem contar vantagem sexual. Pegar e não falar para os amigos é pior do que não pegar. As traições do homem perfeito geralmente são numa escapolida numa boite, ou com uma garota de programa (usando camisinha e sem fazer sexo oral nela), ou mesmo com uma mulher casada de passagem por sua cidade. O homem perfeito nunca trai com mulheres solteiras. Elas são causadoras de problemas. Isso remete ao próximo tópico.

Esse tópico não é para as esposas, é só para as solteiras e amantes.

Esqueçam de uma vez por todas esse negócio de que homem não gosta de mulher fácil. Homem adora mulher fácil. Se 'der' de prima então, é o máximo.Todo homem sabe que não existe mulher santa. Se ela está se fazendo de difícil ele parte para outra. A oferta é muito maior do que a procura. O mercado está cheio de mulher gostosa. O que homem não gosta é de mulher que liga no dia seguinte. Isso não é ser fácil, é ser problemática (mulher problema). Ou, como se diz na gíria, é pepino puro. O fato de você não ligar para o homem e ele gostar de você não quer dizer que foi por você se fazer de difícil, mas sim por você não representar ameaça para ele.Ele vai ficar com tanta simpatia por você que você pode até conseguir fisgá-lo e roubá-lo da mulher. Ele vai começar a se envolver sem perceber. Vai começar a te procurar. Se ele não te procurar, era porque ele só queria aquilo mesmo. Parta para outro e deixe esse de stand by. Não vá se vingar, você só piora a situação e não lucra nada com isso. Não se sinta usada, você também fez uso do corpo dele – faz parte do jogo; guarde como um momento bom de sua vida.

90% dos homens não querem nada sério.Os 10% restantes estão momentaneamente cansados da vida de balada ou estão ficando com má fama por não estarem casados ou enamorados; por isso procuram casamento. Portanto, são máximas as chances do homem mentir em quase tudo que te fala no primeiro encontro (ele só quer te comer, sempre). Não seja idiota, aproveite o momento, finja que acredita que ele está apaixonado, dê logo para ele (e corra o risco de fisgá-lo) ou então nem saia com ele. Fazer doce só agrava a situação. Estamos em 2007 e não em 1957. Esqueça os conselhos da sua avó, os tempos são outros.

Para ser uma boa esposa e para ter um casamento pelo resto da vida faça o seguinte:Tente achar o homem perfeito, dê espaço para ele.Não o sufoque. Ele precisa de um tempo para sua satisfação. Seja uma boa esposa, mantenha-se bonita, malhe, tenha uma profissão (não seja dona-de-casa), seja independente e mantenha o clima legal em casa. Nada de sufocos, de 'conversar sobre a relação', de ficar mexendo no celular dele, de ficar apertando o cerco etc. Você pode até criar 'muros' para ele, mas crie muros invisíveis e não muito altos. Se ele perceber ou ficar sem saída, vai se sentir ameaçado e o casamento vai começar a ruir.

Se você está revoltada por este texto, aqui vai um conselho: vá tomar uma água e volte para ler com o espírito desarmado. Se revoltar com o que está escrito não vai resolver nada em sua vida. Acreditar que o que está aqui é mentira ou exagero pode ser uma boa técnica (iludir-se faz parte da vida, se você é dessas, boa sorte!). Mas tudo é a pura verdade. Seu marido/noivo/namorado te ama, tenha certeza, senão não estaria com você, mas trair é como um remédio; um lubrificante para o motor do carro. Isso é científico. O homem que você deve buscar para ser feliz é o homem perfeito. Diferente disso, ou é crente, ou gay ou tem algum trauma (e na maioria dos casos vão ser pobres). O que você procura pode ser impossível de achar, então, procure algo que você pode achar e seja feliz ao invés de passar a vida inteira procurando algo indefectível que você nunca vai encontrar. Espero ter ajudado em alguma coisa.

9 comentários:

  1. A realidade é dura...

    ResponderExcluir
  2. Nossa ninguem comentou? depois de ler isso, com certeza a mulherada vai olhar para seus maridos com outros olhos...e se pensar demais endoida kkkkkk

    ResponderExcluir
  3. ameiiiii!!! me concede a permissao de postar esse texto no meu blog???? " Diario de uma esposa quase paquistanesa"
    bjss

    ResponderExcluir
  4. Concordo que os homens têm instintos animalescos, mas NEM todos são iguais, assim como existem homens infiéis existem mulheres infiéis, isso uma questão de carácter da pessoa, cada um busca o prazer na vida de diversas formas,n exatamente de trair quem realmente ama, trair não é uma regra p todos os homens felizmente, ainda existem HOMENS BONS E HONESTOS.

    ResponderExcluir
  5. Devemos aprender a viver sozinhos, nunca depositar a felicidade no outro, amor é utopia

    ResponderExcluir
  6. Para quem não possui qualquer tipo de dependência afetiva, é bem fácil, mas para quem possui a dependência, é como uma droga... mas você está certa, mas nem digo viver sozinho, mas manter uma autonomia, uma independência do outro é importante para vivermos bem.

    ResponderExcluir
  7. khadimalik, com certeza, pode postar, deixa o link do seu blog para eu visualizar, bjs.

    ResponderExcluir
  8. O post é antigo, mas o assunto me chamou a atenção, tenho um perfil compulsivo, mas já estou trabalhando em grupos terapeuticos para me melhorar como pessoa, minha autoestima e tal, nessa foi que consegui sair de um longo relacionamento infeliz e agora iniciei um novo relacionamento com um rapaz que já conhecia. Aparentemente ele gosta de mim, mas eu tenho lá minhas inseguranças e tento desesperadamente controlar minha tendência a compulsão, é difícil, porque sei que não é pela pessoa dele, mas o hábito de amar demais que a gente tem que aprender a desconstruir e deixar o outro cuidar da gente, amar a gente... Quanto a traição, achei a ideia meio clichê, porém se o perfil de mulheres que o "homem perfeito" escolhe pra trair a esposa é esse que você falou, até que não chega a ser tão ruim, desde que encape o "amiguinho" né? Entretanto, há de se considerar que nos tempos atuais, as mulheres também andam traindo mais e chumbo trocado não dói, acho essa tua relativa frequencia de traição muito grande, querer variar o cardápio lá uma vez a cada 2 anos olha lá, agora 2 meses? Aí acho que a relação não deve estar trazendo muito ganho pro homem ter que procurar fora com tanta frequencia, eu heim? De qualquer forma, acho que a fidelidade conjugal, pelo menos a de cunho sexual é possível e saudável sim, paquerar e flertar é natural, quem não gosta de se sentir vivo e interessante? Até as mulheres né!? Agora, acho que não é necessário desrespeitar a família que você escolheu constituir com aquela pessoa por conta de uma aventura sexual que nem vai ser lá aquelas coisas... Sou mais pela qualidade que pela quantidade, pensem nisso também!

    ResponderExcluir